Páginas

28 de out de 2014

O Destino de Daenerys – Marjorie Barth


Sinopse

Após sofrer grave acidente, a jovem Catarina apaixona-se por seu anjo salvador, porém fica desolada ao descobrir que seu amor não pode ser correspondido.
Misteriosamente Djin cruza o caminho de Catarina. Um rapaz enigmático e sedutor que se dispõe a realizar três desejos seus, e revelar um segredo sobre o passado da jovem, que mudará o rumo de tudo.

Fonte: http://www.amazon.com.br/O-Destino-Daenerys-Marjorie-Barth-ebook/dp/B00INAAD6K/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1406633778&sr=8-1&keywords=o+destino+de+daenerys




Um esboço de livro...

Quando nos aventuramos a conhecer obras de autores independentes nos arriscamos a descobrir livros que poderiam muito bem estar ao lado de grandes Best Sellers, como também a nos deparar com textos imaturos e mal trabalhados. E quando um autor decide lançar suas obras de forma independente, deve estar preparado tanto para os elogios quanto para as críticas.

 “O Destino de Daenerys” se encaixa nos livros independentes que merecem mais críticas que elogios. O texto é curtinho, e quando começamos a entender a história ele termina de forma abrupta, deixando mais que um gancho para o livro seguinte. Isso não seria problema se a trama toda estivesse bem desenvolvida, o que não está. Os personagens são inconstantes e confusos, e as melhores descrições são das lojas ou das vestes dos personagens, incluindo marca, tipo de alça do vestido, de salto, coisas que pouco interferem na narrativa. As reações dos personagens diante de fatos extremos são superficiais, não consegui me colocar no lugar de nenhum deles. Há crimes, há acidentes, há tentativas de suicídio, há romance, mas não há motivo para tanta desilusão, e o romance não cativa.

Além disso, não fica claro em que lugar a história é ambientada. A impressão que tive é de que a autora quis inseri-la em algum lugar nos Estados Unidos, embora ela cite boutiques brasileiras. Claro, há lojas brasileiras espalhadas pelo mundo todo, mas sem uma referência clara fica a sensação de que a própria autora estava em dúvida — e que não solucionou o caso antes da publicação. Ainda temos o fato de que os adolescentes, várias vezes durante o livro, citam que bebem muito em festas, chegando a não se lembrar do que fizeram no dia anterior. Se isso acontece na vida real? Acontece, mas a banalidade e a frequência com que a atitude é descrita contrasta demais com a inocência que os personagens demonstram em outros momentos.

Fora isso, algo que me incomodou foi encontrar erros de grafia muito claros — alguns são nitidamente erros de digitação — coisas que uma editora deveria ter solucionado e não o fez, o que revela que algumas editoras menores, cujos serviços normalmente de revisão e edição são pagos à parte, não estão interessadas na qualidade das obras que saem de suas mãos, mas no pagamento que o autor faz pelos serviços. Por causa deste exemplo, que não é o primeiro que vejo, faço coro aos colegas que apoiam a publicação totalmente independente, quando não se tem o apoio de uma editora comprometida.


Minha conclusão: A capa é linda, mas o livro simplesmente não está pronto. A impressão que tive é a de que lia o esboço de uma história que me lembrou bastante “Fallen” e outra que li no Wattpad, “Don’t be Afraid”. Se bem trabalhado, é o tipo de trama que tem agradado o público adolescente: romance entre anjo e mortal, com pitadas de demônios aqui e ali, mas ainda precisa de bastante chão para tornar a história coerente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário