Páginas

28 de out de 2014

O DIÁRIO COR DE ROSA

Num post anterior mencionei que, quando comecei a escrever essa história, tinha 11 anos e foi num diário rosa, o qual eu não sabia onde estava. Na verdade eu tinha 12, e encontrei o diário! Estava guardado numa das minhas dezenas de caixas de trecos, e registrei nele, na época, a idade que tinha quando o escrevi.

Lembro-me de que, na ocasião, era moda dar de presente à menininhas esse tipo de agenda/diário, com páginas cor-de-rosa, cadeados de coração, muitas vezes até perfumadas e acompanhadas de canetas coloridas, para que elas escrevessem suas confissões mais secretas. Lembro-me de ter tentado escrever alguma coisa sobre minha vida, mas, poxa, eu tinha só 12 anos e uma vida extremamente normal! Não que eu não tivesse meus segredos de recém-adolescente, nem tivesse sentimentos guardados, mas estes eu preferia que ficassem exatamente onde estavam. Então, um texto que merecesse preencher páginas tão delicadas (embora eu não fosse lá grande fã do cor-de-rosa), deveria ser um texto impregnado de aventuras, algo que fizesse com que eu ficasse interessada e que interessasse outras pessoas a ler — e eu não me imaginava interessada por ler as confissões de adolescente nem minhas nem de outra pessoa, já que eu procurava nos livros histórias extraordinárias,  que não acontecem todo dia numa vida normal.

A capa do diário cor-de-rosa, bem como as três primeiras páginas, estão nas imagens. Eu não tinha relido a história até hoje, quando passei os olhos pelas primeiras linhas e já coloquei a mão na testa: “meu Deus! Na época eu achava que terremotos eram previsíveis como tornados, e que uma família poderia fugir de carro quando um deles aparecesse! E Ana Aurora e Jordan? Eu não me lembrava desses dois… Acho que vou ter que ler tudo de novo pra relembrar de onde vim!”








Nenhum comentário:

Postar um comentário